top of page

Passeios e Pontos turísticos alternativos em Paraty

Atualizado: 20 de mai.

Normalmente, quando eu viajo, procuro fugir dos passeios e destinos mais procurados e disputados do lugar. Não sou um amante de grandes aglomerações e muito menos da disputa por espaço para admirar a natureza, além de achar que muita gente no local acaba “distorcendo” a paisagem por assim dizer. Porém, também acho que alguns destinos “famosos” são imperdíveis, por isso, também gosto de mencionar que a época mais gostosa de visitar a região é durante os meses de abril, maio e junho, assim como agosto e setembro, pois é um período de baixa temporada, de pouca chuva e temperatura amena. Vou tomar a liberdade e mencionar aqui uma experiência que tive durante o carnaval em que um grande amigo veio visitar a cidade e quis que eu o levasse em uma das cachoeiras que ele mais gostava – ele costuma vir sempre -, a Cachoeira da Usina (Crepúsculo). Linda cachoeira e de fácil acesso, porém, ao chegarmos lá, ela estava abarrotada de gente. Nunca, em todos os meus anos que moro aqui, vi este lugar tão cheio. Acho que tinha umas duzentas pessoas – Juro! Não tinha como aproveitar aquela cachoeira tão bela. Nem ouvir o som das águas era possível por conta do burburinho que duzentas bocas emanavam. Ficamos apenas trinta minutos no local. Foi uma pena! Mas isso serve para exemplificar o quanto uma viagem em determinados meses de menor movimento pode ser muito mais prazeroso.

  Pois bem, voltando ao nosso assunto e foco deste texto, gostaria de oferecer algumas dicas de lugares e passeios mais alternativos que Paraty tem a oferecer. Aqui terão opções para aqueles mais aventureiros e amantes de trilhas, mas também irei mencionar lugares e passeios que podem ser aproveitados por todo família ou por aqueles – como eu - que não são tão adeptos de trilhas, porém, amantes da natureza! Segue abaixo uma lista de passeios e passeios e pontos turísticos alternativos em Paraty:


Iriri e a Aldeia Pataxó


  Começamos com uma das cachoeiras que nós, moradores, mais gostamos da região, a Cachoeira do Iriri. Ela é de facílimo acesso, não precisando realizar trilhas. A Cachoeira fica dentro da Aldeia dos Pataxós, que tem o acesso na beira da Br 101, entre São Gonçalo e o Bairro do Taquari. É fácil de encontrar, só precisa colocar “Aldeia Pataxó” no Google Maps, caso for de carro, ou pegar as linhas de ônibus “Vila Residencial”, “Parque Mambucaba” ou “Angra” e avisar ao motorista o destino “Iriri”. O portal da Aldeia é bem colorido, sendo impossível não encontrar. A cachoeira fica a uns cem metros de caminhada por entre a aldeia – no caminho, encontrará diversos artesanatos indígenas para admirar ou comprar. Vale a pena!

  Além de conhecer a bela cachoeira, que possui diversos níveis para explorar, na frente da entrada da aldeia, do outro lado da estrada, fica a praia do Iriri, uma bela praia deserta, que também é cuidada pelos indígenas.


Atenção: Por ser um local protegido pelos indígenas, tem algumas regras que precisam ser seguidas como não levar cooler para a cachoeira, fazer churrasco e etc. Se informe na entrada sobre as regras.



Cachoeira do Iriri

 

Cachoeira da Melancia


  Caso procure por um passeio mais aventureiro e tem o dia inteiro reservado para isto, a Cachoeira da Melancia é o destino perfeito. Ela fica na montanha do bairro do Sertão do Taquari e apesar de ser uma das mais belas cachoeiras da região, é umas das menos visitadas – e por isso é uma das melhores para ir. É necessário um guia para te levar até lá, pois tem a possibilidade de se perder caso decida ir sozinho(a). A trilha começa na parte baixa do bairro e segue subindo por volta de três horas. Lembre-se de levar bastante água e frutas para se alimentar, além de estar com o físico em dia, pois não é fácil, porém, o destino vai valer cada gota de suor derramada. Ao chegar lá, irá encontrar uma belíssima queda e um vista impactante da floresta e do mar.













Abaixo, deixarei o botão de contato para conversar com o guia:






 





 

Passeio de caiaque nos manguezais


  Esta é a dica mais democrática da lista, pois ela pode ser aproveitada tanto por aqueles mais aventureiros como por aqueles menos. É tanto para um grupo de amigos como para uma família inteira. Além de ser tanto para se fazer sozinho quanto para um casal e entre amigos. Ou seja, é para todos que gostam de esporte, pois vai exigir remar!

   O passeio se inicia na praia do pontal e te levará em uma pequena aventura de caiaque. Remando pelas águas da baía de Paraty, você irá passar por belíssimos lugares poucos explorados como os manguezais da praia da Jabaquara, da Ilha do Itú e da Várzea do Corumbê. Como sabemos, os manguezais guardam uma rica flora e fauna por ser um berçário natural de diversas espécies de peixes e crustáceos e isso é o que faz este passeio ser tão interessante e uma ótima opção para conhecer a diversidade que a região abriga. Esta aventura irá durar em torno de três horas e meia e entre um manguezal e outro, vai encontrar diversas praias e oportunidades para mergulhar e se refrescar. É incrível!





Abaixo, segue o contato para realizar a reserva deste passeio, pois é necessário agendar:




 

Praia do Furado


Aqui é um dos segredos mais incríveis da cidade. Esta praia, até para a maioria dos moradores, é desconhecida. E para mim, é a mais bela! Eu a coloco como a mais bela entre as que são acessíveis via terrestre, ou seja, sem necessitar de um barco.

Eu, por sempre trabalhar com hotelaria em todos os anos vivendo aqui, esta é uma dica que sempre ofereci aos meus hóspedes e SEMPRE me agradeceram quando voltavam deste passeio. Taxa de 100% de satisfação!

A Praia do Furado é uma pequena praia que fica no caminho para a Praia Paraty-Mirim – outra belíssima praia mais conhecida. Para chegar até ela, é necessário realizar uma trilha de, no máximo, vinte minutos. Já deixo avisado que é uma trilha sem qualquer subida ou dificuldade. É facílima! O início começa ao lado de um ponto de ônibus em frente ao Remo Hostel – lugar incrível que vale a pena visitar após a praia para tomar um drink.

A trilha é fácil e não tem chance de se perder, não precisando de um guia. Ao chegar lá, encontrará uma praia de águas cristalinas com vista para o Saco do Fundão e ilha da Cotia. Você irá me agradecer!


Pão de Açucar do Saco do Mamanguá


  Novamente irei mencionar este lugar, que é o Saco do Mamanguá, o lugar mais belo, na minha opinião, em Paraty. Eu falo “novamente”, já que eu o mencionei em uma postagem passada, mas aqui vou falar especificamente sobre o Pão de Açucar, que é o topo da montanha mais alta de lá.

  É preciso fôlego e condicionamento físico, pois a trilha é íngreme, mas é a vista mais bela que você terá da região. Um desbunde!

  Para chegar até lá, é necessário pegar um barco na praia de Paraty-Mirim até à Praia do Cruzeiro no Saco do Mamanguá. Não precisa de guia, mas deixa tudo combinado com o barqueiro para te pegar na volta.

 

Praia do Sono


  Pode parecer que esta seja uma dica que foge do foco deste texto, que são opções alternativas de passeios, já que é um destino famoso da cidade, porém, vou adicionar à lista por achar que este lugar é divulgado de forma errada, em minha humilde opinião.

Acho errado quando dizem que a Praia do Sono é uma “praia” de Paraty, pois não acho que é apenas uma praia e sim uma experiência. Para chegar lá é necessário realizar uma trilha de uma hora e meia ou pegar um barquinho a partir do condomínio Laranjeiras – bem complicada esta opção. Não acho que seja um lugar para ir, passar o dia e voltar. Não. Acho que para aproveitar o lugar da melhor forma possível é ir para passar pelo menos uma noite por lá. Por quê¿ Pois é um dos melhores lugares para ver a lua cheia, além de ter outras praias maravilhosas para visitar como a Antigos e Antiguinhos.

Lugar imperdível para se programar e passar uma noite na fogueira, admirando o belo luar!

 

Espero que tenha ajudado com essas dicas para aqueles que procuram lugares menos populares e que estejam fora da modinha Tik Tok!


Divirtam-se!


Diogo Ely.

 

 

4 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments


bottom of page